Antes de iniciar uma construção, é preciso realizar uma investigação geotécnica. Esse procedimento é normativo e essencial para qualquer edificação, pois os resultados podem interferir na viabilidade do empreendimento. É válido lembrar que existem vários tipos de sondagens de solo, sendo necessário escolher o modelo certo para uma situação específica.

O processo de sondagem acontece por uma análise do local onde será realizado a obra, por meio de uma amostragem do solo e ensaios específicos de campo. Essa amostragem deve atingir todo o decurso do subsolo ou a profundidade de acréscimo de tensão devido ao peso da construção.

Uma investigação geotécnica deve ser constituída, no mínimo, por sondagens à percussão SPT, visando a determinação da estratigrafia e classificação dos solos, posição do nível d´água e o índice de resistência à penetração NSPT.  A partir desses dados, o construtor saberá qual é a profundidade necessária para as fundações, a tecnologia mais adequada para escavação e as suas respectivas dimensões.

Em outras palavras, a sondagem do solo pode ser considerada como um raio-X do terreno, identificando a tensão que o solo resistirá, ajudando o cliente a escolher o melhor tipo de fundação e a profundidade necessária para o seu terreno suportar o peso da obra.

Neste artigo, você vai saber quais são os tipos de sondagem de solo e qual é a melhor metodologia para a sua obra. Acompanhe.

Como funciona o processo de sondagem do solo e qual é a sua importância?

Por meio desse processo é possível conhecer as principais características do terreno, como a espessura das camadas, suas respectivas resistências e a localização do lençol freático, caso exista.

A partir dessas informações, define-se o melhor tipo de fundação para a edificação. Caso o projetista não tenha esses dados, a possibilidade da fundação (e também da estrutura da edificação) não ser corretamente dimensionada é grande.

Para realizar esse tipo de serviço deve-se procurar por empresas que trabalhem com investigação geotécnica. Esse é o nome dado para o trabalho investigativo, pois os profissionais terão que lidar com algo desconhecido. Essa é a única maneira de conhecer um tipo de solo e, consequentemente, indicar qual é a melhor fundação para a construção.

Quais são os tipos de sondagens?

Existem vários tipos de sondagens de solo, sendo cada uma indicada para determinado tipo de terreno. Algumas são mais comuns e usuais, enquanto outras são pouco utilizadas. No entanto, é preciso conhecê-las para compreender as informações que elas podem agregar ao projeto. Veja, a seguir, os quatro diferentes tipos.

1. Sondagem a trado

A sondagem a trado é a mais simples que existe, sendo muito empregada em obras de saneamento e de estradas. Esse tipo de sondagem é capaz de nos dar informações adicionais, além de permitir uma amostragem do solo.

A sondagem a trado permite um conhecimento inicial sobre a estratigrafia do tipo do solo, e as amostras coletadas servem para futuros ensaios em laboratórios. É interessante destacar que esse método pode ser realizado manualmente, por meio da utilização de lâminas cortantes.

2. Sondagem à percussão

A sondagem à percussão, também chamada de sondagem SPT (Standard Penetration Test), talvez seja a mais conhecida por conta do índice de resistência à penetração NSPT. É válido destacar que, de acordo com as normas brasileiras, a investigação geotécnica preliminar para edificações deve ser constituída no mínimo pela sondagem à percussão, uma vez que apenas a sondagem a trado não é suficiente para o dimensionamento das fundações.

A principal característica desse tipo de sondagem é a determinação do índice de resistência à penetração de determinado solo, analisando a estratigrafia, sua classificação e outras informações, como o local exato do aparecimento de água.

A sua execução se dá por meio de um amostrador padrão, que é cravado por um martelo (65kg), posicionado a 75cm de altura. Deve-se anotar os resultados obtidos para se cravar o amostrador em 45cm, analisando-se o número de golpes dados em um intervalo de cravação de 15cm. Esse ensaio é executado a cada metro escavado ao longo do decurso do subsolo.

A partir do número de golpes é possível determinar a resistência do solo. A posição do nível de água, se encontrada, é anotada durante o processo de escavação. A sondagem à percussão deve ser finalizada quando se atinge a profundidade limite estabelecida pelo projeto ou quando se encontra um material de natureza impenetrável.

Podemos comparar a sondagem a trado à sondagem à percussão. A principal diferença entre esses tipos de sondagem se dá pela determinação do índice de resistência à penetração. Dessa forma, a sondagem a trado apresenta utilização limitada para o dimensionamento das fundações de uma obra.

3. Sondagem rotativa

A sondagem rotativa  visa investigar e reconhecer as rochas e os materiais impenetráveis à percussão, permitindo a retirada de amostras da rocha, denominadas testemunhos. Por meio desse método é possível atingir grandes profundidades dos perfis geológicos em cada furo.

Essa sondagem atravessa todo o solo, utilizando ferramentas de abrasão maiores do que as ferramentas da sondagem à percussão (coroas diamantadas). Os testemunhos recuperados são retirados, indicando as principais caraterísticas, como o grau de alteração, percentual de recuperação, xistosidade e índice de qualidade — grau RQD (Rock Quality Designation).

4. Sondagem mista

A sondagem mista é a utilização conjunta da metodologia de sondagem rotativasondagem SPT. Dessa forma, nos trechos em solo tem-se a medida do índice de penetração NSPT e nos materiais impenetráveis à percussão faz-se o uso das coroas diamantadas para recuperação de testemunhos.

Imagine que antes de se atingir a profundidade especificada em um projeto há um matacão. Nesse caso, a sondagem SPT será paralisada, dando início à execução da sondagem rotativa. Atravessado o matacão, volta-se ao uso da metodologia a percussão.

O que são matacões?

Citamos os matacões no exemplo da utilização da sondagem rotativa. Esse material é composto por blocos de rochas soltos no meio do solo. O grande desafio nessa questão se dá pela identificação do matacão, uma vez que as pessoas podem acreditar que atingiram o impenetrável.

Essa falsa percepção pode ser crucial para que decisões erradas sejam tomadas, escolhendo um tipo de fundação que não esteja de acordo com a realidade do solo local. Em alguns casos, o bloco pode estar solto, havendo a presença de solo abaixo dele. Dessa forma, a fundação será apoiada em uma profundidade que não condiz com a realidade geológica do local.

Como analisar qual é a melhor sondagem para o terreno?

A escolha de um dos tipos de sondagem para determinado terreno depende do tipo de solo presente. O ideal é começar com a metodologia mais barata, buscando identificar todas as informações necessárias. Caso não seja possível obter todas as informações, deve-se recorrer a alternativas mais caras.

Considere a seguinte situação: a primeira sondagem realizada chegou até uma rocha. A segunda e a terceira sondagem foram paralisadas em um matacão. Nesse ponto, deve-se prestar bastante atenção, principalmente em relação à interpretação dos sinais.

Conforme já mencionamos, uma interpretação errônea pode ser crucial para a incorreta determinação das profundidades dos solos. Infelizmente, não é raro encontrar edificações que apresentam fundações posicionadas exatamente em cima dos matacões.

Nesse caso, a edificação pode apresentar problemas de ordem estrutural, pelo fato da pressão exercida sobre o matacão fazer com que ela sofra recalque por conta do solo solto que se encontra logo após os blocos de rocha.

Para evitar esse tipo de problema, deve-se contar com a ajuda de especialistas sempre que for encontrada a presença de resistência durante a sondagem. O ideal é buscar empresas que façam o trabalho completo de investigação geotécnica complementar, certificando-se da presença de um matacão ou não.

Para finalizar, não podemos deixar de mencionar a importância de uma investigação técnica bem realizada. Assim, você conseguirá escolher a fundação mais adequada para a sua construção, além de garantir a segurança da obra e economizar recursos financeiros.

Dois casos podem acontecer, quando não se usa a investigação geotécnica para a identificação do solo: haverá arbitrariedade no valor da resistência, podendo fazer com que a empresa gaste mais do que o necessário; ou o profissional deverá estimar o valor da resistência, podendo colocar a estrutura em colapso.

Se as informações deste artigo foram úteis ou se você quiser saber mais sobre o assunto, entre em contato conosco que teremos prazer em ajudar!